quinta-feira, 9 de junho de 2016

DESASSOSSEGO

Imagem daqui
A minha cabeça não pára, ando numa luta diária entre a razão e a emoção. Não consigo deixar de pensar ‘E Se’. Mas depois… depois penso no resto e volta tudo ao mesmo, como se fosse um círculo, sem ponto de partida nem ponto de chegada. O pior é que existe um ponto de partida, um ponto de referência ao qual não quero voltar. É tudo uma incógnita tão grande e o medo de voltar ao mesmo depois de tudo o que passei e conquistei é avassalador.

Nunca pensei que pudesse mudar, mudar a forma de encarar as coisas (as boas e as más), quando há uns anos era das pessoas mais críticas em relação a situações como a minha (pela boca morre o peixe)! Condenava atitudes e pessoas e tinha aqueles pensamentos ‘se fosse comigo eu fazia/acontecia’.

Custa-me acreditar que as pessoas mudem
Custa-me acreditar que eu mude o meu temperamento
Custa-me acreditar que as coisas se consigam encaixar
Custa-me a ideia de um dia, se correr mal, passar pelo mesmo que estou a passar agora
Custa-me pensar que um dia me vou arrepender por não ter seguido em frente
Custa-me pensar que um dia todas as minhas dúvidas de hoje se podem vir a tornar realidade
Custa-me pensar que aí vou olhar para trás e pensar que desperdicei a minha vida

O ‘E Se’ torna-se tão pequeno ao lado destes meus ‘custa-me acreditar’…
A minha razão sente-se tão poderosa ao lado da emoção
Mas quando me observo do lado de fora, fico tão furiosa pela minha incapacidade de decisão…

Hoje li este post no FB do blog ‘Às 9 no meu blog’ e diz tanto de mim, ora leiam:

- -
o problema é quando te acostumas ao que dói, quando te acomodas ao vai-se andando, quando achas piada ao que não é nem deixa de ser, quando te enfias num mais-ou-menos cinzento, quando desistes de ir atrás do que queres, quando não dás passos em busca de ti, quando fazes de conta que está tudo bem, quando ris e o que mais queres é chorar, quando ficas parado e o que mais precisas é de andar, quando ficas mudo e o que faz sentido é falar, quando murmuras um sim no lugar de um sonoro não-vai-dar!.
o problema é achar que ainda tens tempo. e o problema é quando não percebes que esse tempo pode não chegar...
[se tu não saíres desse lugar].
# é-tempo-de-ti


Acho que chegou o meu tempo de sair do lugar. Só me falta dar o passo.

4 comentários:

  1. Teresa, não sabendo o que se passa, li hoje este texto: http://diasdeumaprincesa.pt/2016/06/mudar-e-reaprender-andar-de-bicicleta.html e lembrei-me deste seu post que tinha lido ontem. beijinho para si, muita força!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom dia! Obrigada pelo seu comentário! Como está nesse post que me indicou (...)Há que aprender a cair e a levantar, a cair e a voltar a levantar, até ao dia em que acreditamos, ainda que a medo, que conseguimos deixar o que já não nos faz falta para trás(...)

      Um beijinho grande <3

      Eliminar
  2. Bom dia Querida Teresa.

    Tenho vindo regularmente aqui mas sou um pouco reservada, gosto de lêr e da forma sem pudores que falas do dia-a-dia.
    Em tempos idos já aqui escrevi o que agora volto a repetir num post que agora transcrevo incluído no meu comentário, porque me lembro tão bem dele e da alegra da escrita:

    "Voltei, precisamos muitas vezes de cair para nos levantar a seguir. Para nos erguermos de novo o caminho tem de se construído e todos os dias são diferentes, com coisas boas e más, mas que nos ajudam a definir aquilo que queremos. Tenho muito para aprender, mas saber ouvir o coração é precioso, embora por vezes muito doloroso também, sobretudo quando ninguém nos percebe...
    “Sometimes it takes a good fall to really know where you stand” ― Hayley William
    I've had a fall... I'm just not sure where I stand right now. Just sayin

    É como dizes, antes de tudo ouvir o coração...e re-erguer no novo caminho, Porque a vida não é fácil, mas por vezes somos os primeiros a complicar mais ainda
    Beijinho, CE

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom dia minha querida, Obrigadaaaaaaaaaaa pelas tuas palavras!
      Lembro-me tão bem desse post que falas, foi o primeiro que escrevi depois de sair de casa, a 28 de dezembro de 2015, e de ter regressado á minha vida de mãe solteira, com a minha princesa! Apesar de tudo, naquela altura tive uma coragem que agora me falta todos os dias.

      neste momento sinto que tenho de decidir pela razão, com base em tudo aquilo que vivi nestes últimos 5 anos.

      O problema, é que o coração diz o contrário e o medo de voltar a sofrer é imenso... Do outro lado tenho uma mão que me agarra com todas as forças, e a promessa de felicidade! O coração até acredita, mas a cabeça não...

      Por isso não sei para que lado me virar, se para o lado da razão, se ouço o coração!

      Eu tento descomplicar, mas sinto-me completamente no fia da navalha :(

      Beijinho grande, grande!!!!

      Eliminar