segunda-feira, 2 de maio de 2016

SADNESS

Bom dia que isto não está fácil. Adormecia a chorar… Já chorei de manhã…

Começo pela manhã, abri o FB e li a mensagem do Dia da Mãe da minha sobrinha de 17 anos para a minha irmã e chorei que nem uma Madalena (no escritório não dá muito jeito, o que me vale é que chego estou sempre sozinha pelo menos ½ hora). Tenho tanta ‘inveja’ das gerações de agora, pela facilidade que têm em falar de sentimentos. No meu tempo não era assim, o que não quer dizer que não sentíssemos as coisas de igual forma, mas havia menos abertura por parte dos nossos pais (falo da minha família e creio que houvessem mais assim); não os tratávamos por Tu nem dizíamos Amo-te ou Gosto muito de Ti. Tudo aquilo que sentíamos guardávamos cá dentro. Lembro-me de pensar ‘quando eu for grande, vou dizer à minha filha o quanto a Amo; o quanto gosto dela; vou contar-lhe todos os segredos da vida e desejar que não haja segredos entre nós; vai poder falar-me dos medos, de quem gosta ou não gosta; dos problemas na escola, com os amigos ou em casa e eu vou lá estar a saber ouvir, para a melhor poder ajudar e aconselhar’. Acho que tenho feito um bom trabalho até agora mas a vida é também para nós adultos uma surpresa, acredito que temos de seguir sempre o nosso coração acima de tudo!

Quanto à mensagem da minha sobrinha melhor que explicá-la, é deixá-la aqui como um testemunho lindoooooo de um amor incondicional:

Olá mãe,
Sei que não tenho estado presente... Aliás o meu estado de espírito define-se à falta da tua companhia. Queria-te dizer que te admiro muito, sabes? Sei que a vida nem sempre te foi justa, e que provavelmente ainda hoje não o é, mas acho que és uma heroína pela maneira positiva com que tens lidado com os obstáculos que te têm sido impostos.
Sabes, ultimamente tenho tido muitas saudades, de passar uma tarde contigo, ou de irmos jantar as duas... desde pequena que me habituei a passar maior parte do meu tempo contigo, e sinto muita falta agora. Às vezes arrependo-me de, por vezes, ter trocado a tua companhia pela de quem já não me acompanha. Fazes-me mesmo muita falta, tenho tanta coisa que quero partilhar contigo, hoje trabalhei muito sabes? Mas cheguei a casa e já estavas a dormir, só te dei um beijinho e vim para o quarto.
Sinto-me mal por ser ingrata contigo... Dedicaste-te tanto a mim, nunca foste de "paninhos quentes", sempre me ensinas-te o que era certo e o errado (ainda que algumas vezes não os saiba distinguir), mostraste-me que a única coisa que cai do céu é a chuva, que nem sempre somos devidamente recompensados pelas coisas boas, e que pelas más, ainda que muito pequenas que fossem, somos logo castigados. Obrigada por não me teres mimado demais, por não me fazeres tudo, por me obrigares "a ser independente", sei que ainda não me ensinas-te tudo, e deus queira que não o faças.
Sabes? Eu sei que discutimos muito, e tu não sabes, mas eu muitas vezes acabo por chorar ... sabes eu sinto me mal de todas as vezes que discuto contigo, é como se estivesse a fazer mal, à pessoa que todos os dias me fez bem. Sempre me ajudas-te, em todas as fases até agora, as boas e as más, nunca me deste os parabéns por fazer as coisas bem "não fazes mais que a tua obrigação", dizias... e as más, bem quanto a essas o maior obrigada de todos, porque sem dúvida foste o grande pilar de todas elas, nunca me deixas-te ir abaixo, aliás muitas delas serviram para me dares alguma moral.
Sabes? Tenho medo. Tenho mesmo muito medo de algum dia te perder ... fazes parte de mim, estou incondicionalmente ligada a ti. É um medo muito grande que me atormenta. Eu sei que nunca irei fazer por ti, tudo aquilo que conseguiste fazer por mim até ao dia de hoje... mas acredita, mãe, estou a tentar. Pode não ser em todos os sentidos, mas eu todos os dias luto para que consigas ser mais feliz. Eu sei que provavelmente vai ser difícil, muito até, mas eu quero muito poder retribuir-te, ainda que não tenha que o fazer. Quero que acordes todos os dias feliz, quero que sintas amor naquilo que fazes. Acho que ninguém, nem mesmo tu imaginas, a ligação gigante que eu tenho a ti.
Sabes? Dou graças a deus pela mulher que me criou... e sei que em certas alturas te desiludi muito, mas eu quero ser o teu orgulho ... o maior de todos eles.
E para mim o dia da mãe é todos os dias, ainda que eu esteja atrasada, mas quero-te compensar, pelas falhas...
Só tenho mais duas coisas para te dizer:
Obrigada e desculpa, por tudo.
Verdadeira Mulher da Minha Vida.
Feliz dia da Mãe.
AMO-TE!
Da minha linda ‘Lau’

Quanto a mim… Adormeci a chorar, sim, mas não consigo escrever sem suster as lágrimas por isso para já, ficamos assim, apenas com este mero desabafo.


Beijos e tenham uma boa semana <3

2 comentários:

  1. Olá querida Teresa (Bom Coração) :-)

    Nem me atrevi a ler o que a tua sobrinha linda escreveu à mãe, pois hoje tb estou de lágrima fácil... LOL... mas queria partilhar contigo que na minha família não expressávamos verbalmente que gostávamos ou que gostamos uns dos outros... apesar disso, até acho que somos uma família de afetos que o demostra através de gestos: muitos ABRAÇOS :-) E eu ADORO tanto abraços.
    Com a princesa acabei por incutir o mesmo que tu. Digo-lhe com regularidade que gosto dela e que a amo... e agora isso tb lhe sai naturalmente... e não é bom? :-) Se é! Acho que somos uma geração de mais afetos, mas se calhar tb sofremos mais com isso... não sei. Mas que se lixe :-)
    Já com os amigos também é assim... há imensos abraços distribuídos por eles... que acaba por ser um "Gosto de ti".

    Não chores, querida Teresa, Gosto de ti e já agora toma lá também um abraço daqueles :-) <3
    Tem uma boa semana!
    SH

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. <3 Obrigadaaaaaaa!!!!

      Também gosto muito de ti, tu sabes! <3

      Abreijoooooooo

      Eliminar